Notícia na Tela

Ficar sem calcinha após o banho ajuda a evitar corrimento

Por Notícia na Tela
26 de setembro de 2017 18:34 Comentários
As mulheres sentem vergonha de falar sobre ele até com as amigas. Se podem, escondem o problema do médico e adiam ao máximo uma consulta para avaliar o que está acontecendo. 
Um erro que pode trazer sérias conseqüências, incluindo a dificuldade para engravidar. Cerca de 1,5 milhão de brasileiras passa por um episódio de corrimento a cada ano, de acordo com a Associação Médica Fluminense. 
A candidíase responde pelo diagnóstico da maioria dos casos. E engana-se quem pensa no sexo sem proteção como único causador da doença.
"Os hábitos de vestuário e de higiene têm papel fundamental no controle do corrimento", afirma o ginecologista Odair Albano, do Hospital Maternidade de Campinas. Identifique, a seguir, tudo o que você pode fazer para se prevenir contra o desconforto e saiba o que evitar para manter a calcinha seca.

Roupas apertadas e calcinhas de lycra
Roupa justa e tecidos sintéticos impedem a circulação do ar e aquecem a região aumentando a transpiração. Por serem impermeáveis, mantêm o ambiente favorável ao crescimento de microorganismos (bactérias e fungos). A maioria desses agentes cresce em ambientes quentes, úmidos e abafados.

Absorventes de uso diário
Eles não devem ser usados. Assim como as roupas apertadas, eles aquecem e impedem a ventilação local. Após o banho, é até indicado que a mulher dispense a roupa íntima calcinha para ventilar a região (um hábito que os pediatras recomendam ao bebê, em especial às meninas, após o banho.

Sabonetes íntimos
Eles estabilizam o pH em níveis mais próximos ao normal da vulva. Só devem ser evitados os banhos prolongados com água quente e sabonete em excesso, que são muito alcalinos e desequilibram a flora vaginal, deixando-a propensa aos micro-organismos.