Notícia na Tela

Por Luzitânia: A moça e o homem estranho

Por Notícia na Tela
14 de novembro de 2018 21:01 Comentários

Era 22 de março de 2008. Um sábado. A moça acordou cedo e foi trabalhar. Dia estafante. Chegou tarde em sua casa, contudo ela resolveu aproveitar a noite. A cidade estava em festa e, na semana seguinte, ela propendia se despedir, pois havia conseguido obter nota suficiente para ingressar numa universidade federal. Foi a primeira de uma família numerosa a alcançar tal feito. 
Seu semblante era alegre, mesmo estando exausta. Trabalhara em pé o dia todo. Malmente se alimentou. As pernas latejavam. Marcou com uma amiga, escolheu um vestido leve, um pouco acima dos joelhos, selecionou uma sandália de salto confortável e saiu para se divertir. Lá, encontrou outros amigos e familiares, dançou e espaireceu. 
Não passou muito tempo e seu pai chamou-a para irem para casa. Ela, preocupada em encontrar alguém confiável para levar sua amiga que morava distante, mesmo seu corpo desejando descanso, preferiu ir em seguida, afinal, residia muito próximo ao local da festa.
Não demorou trinta minutos. Misturou-se a um grupo de pessoas que também retornava e seguiu adiante. Olhou para trás. Havia um moço caminhando de modo estranho. Ela seguiu seu caminho, agradecida por haver mais gente. 
Numa esquina, ela um pouco mais a frente, viu as pessoas seguirem um rumo díspar do seu. Uma aflição tomou conta de si. Resolveu apressar o passo. Num rompante, olhou para trás. Apenas ela e o homem estranho caminhavam naquela rua deserta. Havia certa distância, porém sentia em seu íntimo a necessidade de correr. 
Suas pernas doíam e tremiam tanto! Abaixou-se, retirou a sandália, contudo não havia mais para onde fugir. O homem estranho, que estava a metros de distância, a alcançou num piscar de olhos, a segurou firme, colocou a mão direita em sua boca e a ameaçou de morte. Ela tentou se defender, entretanto ele se esquivava e começou a arrastá-la pelos cabelos para uma rua ainda mais deserta e perigosa, enquanto ela tentava gritar.  Seus gritos trépidos eram praticamente inaudíveis.  
Passados alguns instantes, ouviu-se uma voz masculina, ao longe, ordenando ao homem soltar a moça. Outras vozes se misturaram. Ele correu. 
A moça, com tufos de cabelos arrancados, rosto machucado, segurando uma alça do vestido já descosturada, conseguiu entrar em sua casa sem que o pior ocorresse, graças a ajuda dos vizinhos.
Durante dias, foi o assunto da cidade. Inúmeras eram as versões da história:
- Deu ousadia!
- Também, com aquele vestido!
- Se fosse eu, tinha batido!
- Foi o namorado!
- Isso que dá arrumar homem estranho em festa!
- Bem feito!
- Não se deu o respeito!
- Claro que ela sabe quem é. Eu reconheceria!
No final das contas, a vítima foi considera culpada pelos juízes de plantão. Toda sua dor era reverberada a todo o momento ao notar os olhares de culpa e de pena.  Seu coração sangrava e poucos eram os que realmente se importavam. Ela virou estatística e sabia que, infelizmente, não foi a única e nem seria a última.
Luzitânia Silva

NOTÍCIA NA TELA www.noticianatela.com.br