Notícia na Tela

Presença das Forças Armadas nas ruas do DF até dia 31 'é um excesso', diz Maia

Por Notícia na Tela
24 de maio de 2017 18:54 Comentários
O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), avaliou nesta quarta-feira (24) que a decisão do presidente Michel Temer de autorizar a presença das Forças Armadas nas ruas do Distrito Federal até o próximo dia 31 de maio "é um excesso".
Coube ao ministro da Defesa, Raul Jungmann, anunciar, mais cedo, a decisão do governo federal. O uso das Forças Armadas para a chamada garantia da lei e da ordem (GLO) foi autorizado pelo presidente Temer após milhares de manifestantes ocuparem a Esplanada dos Ministérios para pedir a saída dele do governo.
Em meio ao protesto, que começou pacífico, houve tumulto e alguns manifestantes entraram em confronto com policiais. Mascaradas, algumas pessoas atearam fogo nas imediações de alguns ministérios.
"O que tiver base legal, o presidente pode tomar decisão com base em sua equipe de segurança", disse Rodrigo Maia nesta quarta, acrescentando:
"O decreto, com validade até o dia 31, é um excesso, sem dúvida nenhuma."
Ao anunciar a decisão de Temer, o ministro Raul Jungmann disse que o presidente atendeu a um pedido de Rodrigo Maia, mas, segundo o presidente da Câmara, não foi pedida a presença das Forças Armadas, mas, sim, da Força Nacional de Segurança, vinculada ao Ministério da Justiça (reveja o anúncio no vídeo abaixo).
Rodrigo Maia, após o pronunciamento de Jungmann, disse ter ligado para o presidente Michel Temer para pedir que a Força Nacional apoiasse a Polícia Militar do Distrito Federal nos trabalhos relacionados à manifestação na Esplanada contra Temer, não as Forças Armadas.
No fim da tarde, o presidente Michel Temer decretou "ação de garantia da lei e da ordem" e, com isso, tropas federais das Forças Armadas passarão a reforçar a segurança na região da Esplanada dos Ministérios por uma semana.
"O ministro da Defesa veio a público dizendo que o decreto tinha sido um pedido meu. Não é verdade (...) Espero que o ministro da Defesa possa repor a verdade", disse o presidente da Câmara.
"Se a decisão do governo foi além da Força Nacional, essa é uma decisão do governo." (G1)