Notícia na Tela

Em entrevista exclusiva, Diego Ambrósio apresentou sua versão para os repasses ao filho de Jair Bolsonaro

Por Notícia na Tela
20 de dezembro de 2019 14:31 Comentários
Foto: Agência O Globo
O sargento da Polícia Militar Diego Ambrósio, que pagou um boleto de R$ 16,5 mil do apartamento de Flávio Bolsonaro, e foi um dos alvos da busca e apreensão de ontem feita pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, passou a quinta-feira em contato com o Bradesco, pedindo ao banco extratos que o permitam provar que ele não faz parte do esquema de desvio de dinheiro público de que Flávio é suspeito. Em entrevista exclusiva à coluna, enquanto mexia em 160 folhas de extratos fornecidas pelo banco, Ambrósio deu sua versão sobre o pagamento e sobre os repasses feitos por ele ao então deputado estadual e a dois ex-funcionários do gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa.

Os dois se conheceram na campanha de 2010, apresentados por amigos em comum, para que ele reunisse policiais da Baixada Fluminense num encontro com Flávio e Jair Bolsonaro, que tentavam a reeleição para deputado estadual e federal, respectivamente.

Desde então, teriam passado a ser amigos, e Ambrósio sempre fez campanha para ele, sem nunca ter tido um vínculo empregatício.

Segundo ele, o pagamento do boleto foi um favor a Flávio, feito durante o churrasco de comemoração que eles faziam pelo resultado inesperado que o amigo tivera na eleição municipal de 2016 — em sua primeira tentativa num cargo majoritário, o hoje senador terminou em quarto lugar.

Durante a entrevista, Ambrósio disse não se lembrar exatamente como foi reembolsado por Flávio, mas depois entrou em contato para informar ter lembrado que Flávio o pagou os R$ 16 mil em espécie, e ele usou o dinheiro para pagar contas de sua empresa de serviços de segurança, a Santa Clara.

O outro repasse, cujo valor ele não identificou, diretamente na conta da loja Kopenhagen de Flávio, teria sido referente à compra de panetones para Ambrósio presentear seus clientes. Ele tem a empresa desde 2014, trabalho que ele acumula com o emprego na PM. Atualmente, ele está lotado na Delegacia de Gestão de Pessoal (DGP), a geladeira da corporação, onde muitos dos policiais que têm outras rendas costumam pedir lotação.

Os outros dois pagamentos, para Fernando Nascimento Pessoa (que ele estima ser R$ 800) e Marcos de Freitas Domingos (entre R$ 500 e R$ 600, também em valor estimado), teriam sido, respectivamente, a remuneração por serviços de design gráfico prestados e o reembolso por uma quantia emprestada para a compra em espécie de uma caixa de som no Centro do Rio.

Leia a entrevista completa, em que Ambrósio fala também de Fabrício Queiroz e da acusação de que ele intimidou moradores de Copacabana para contratar sua empresa de segurança.

Como você conheceu Flávio?

Foi em 2010. Ele estava entrando nesse negócio de defesa do policial militar. Eu era um jovem soldado de cabelo preto e o conheci por intermédio de amigos e fiquei responsável por fazer uma reunião com amigos policiais também para ele no município de Mesquita, de onde venho.

Você organizou essa reunião?

Sim, com policiais militares. Inclusive, nessa reunião foram o então deputado estadual Flávio Bolsonaro e o então deputado federal Jair Bolsonaro. Foi uma parada bacana. Adesivamos carro, ele falou a respeito dos projetos, do que ele que já tinha feito. Até então, o Flávio era meio que desconhecido. O pai era muito conhecido no meio militar e o Flávio ninguém conhecia. Isso era 2010. Ele veio de uma eleição de 40 mil ou 30 e poucos mil votos, salvo engano. Dali nasceu uma amizade. Frequentava o gabinete dele algumas vezes. Uma amizade normal. "Vamos almoçar, brother, está na folga hoje? Tenho um evento para ir. Pode me acompanhar?"

Você ainda é soldado da PM?

Trabalhando na PM, normal. Sou sargento.

Em 2010, ele se reelege deputado estadual e você continua esse contato social?

Amizade. Tanto que ele até me chamava: "Brother, você não quer ser cedido aqui para o gabinete, não?" Eu falava que não, que estava bem em Copacabana, que não ia sair de perto das minhas namoradas. Eu era lotado no 19º Batalhão.

Em 2014, você o ajudou de novo na campanha?

Isso. A gente vem há tempo fazendo um lastro de amizade e chegam momentos críticos em que o cara... Na época de campanha, ele tem que contar com as pessoas que estão próximas, então é normal o cara chegar: "Brother, tem como me ajudar em época de campanha? Fazer isso, fazer aquilo?" Foi aí o que ocorreu. Em toda a campanha o ajudo, mas nunca de maneira específica, profissional.

Ele nunca te remunerou, nunca foi um trabalho formal essa relação?

Não, nunca por trabalho.

Nesse período, você já conhecia o Queiroz?

Conheci logo o Queiroz, não tinha como uma pessoa conhecer o Flávio e não conhecer o Queiroz, porque o Flávio só tinha um motorista full time. Qualquer lugar a que o Flávio ia, era o Queiroz que 

Qual era a sua visão sobre o Queiroz?

O Queiroz é um subtenente da Polícia muito considerado, tinha o Queiroz em alta conta. Vou falar no âmbito militar. Tenho 15 anos de profissão. Quando entra um soldado e olha o cara com 15 anos de profissão... O Queiroz tinha um status, trabalha como motorista do Flávio, da família Bolsonaro, uma família que tinha grande chance de crescer dentro da política. Você vê ele [Queiroz] com um diferencial. Nesse meio tempo, o conheci, criei vínculo de amizade como criei com o Flávio, porque a relação com Flávio e Queiroz era junto. Estavam juntos. Não tinha como chamar o Flávio e não ver o Queiroz.

Com o Queiroz também só amizade?

Amizade.

Porque o Queiroz trabalhava nas campanhas também, né?

Lógico, como motorista do Flávio, aonde o Flávio ia, ele estava junto. Não existia a possibilidade de o Flávio se deslocar sem o Queiroz.

O Queiroz nunca foi só motorista. Era braço-direito, fazia tudo.

É. Mas o trâmite administrativo, não sei dizer, porque não trabalhei, não participava. Meu bico com o Flávio era pessoal.

Em 2016, você também o ajudou na campanha para prefeito?

Isso. Na mesma condição: "Ambrósio, no que pode me ajudar aqui? Tem um evento aqui, pode me acompanhar?"

Você tem uma empresa de segurança privada. Você prestava segurança para ele também?

A minha empresa, não.

Você nunca prestou serviço de segurança para o Flávio?

Nunca. Sou policial, sou amigo dele. Se estou do lado dele, automaticamente, estou fazendo a segurança dele. O policial é 24 horas por dia. É por isso que facilita os encontros. A pessoa sempre quer ter um policial ali do lado. A ideia é essa.

Nessa época, houve o pagamento do boleto, em 2016.

Foi em outubro de 2016.

Exatamente no mês eleitoral.

Não foi no mês, foi pós-eleição. Como se deu isso? Estávamos numa confraternização de fim de campanha lá em Bento Ribeiro. Aquela campanha foi vitoriosa para nós, porque o Flávio teve o desmaio (Flávio desmaiou no debate da Band), estava em último na pesquisa. Foi a primeira campanha de um cargo majoritário para ele, então, acho que foi uma vitória. Foi a primeira vez de testar um nome Bolsonaro para um cargo majoritário. Teve o desmaio, tinha tudo contra a gente. Foi o primeiro teste.

Ele terminou em quarto numa eleição com muitos candidatos.

Sim. Estávamos nessa reunião, com o pessoal que trabalhou na campanha, e qualquer pessoa que ajudou de qualquer forma foi convidada. "Vamos fazer um churrasco à tarde para confraternizar". Fui com o Flávio. Nesse dia, ele pediu: "Ambrósio, vamos sair cedo que tenho que ir naquele Itaú pagar a prestação de meu apartamento".


O Itaú de Bento Ribeiro.

É, logo ali na esquina. Falei: "Flávio, 2016 e a gente sair de uma festa para pagar uma conta, está de sacanagem? Paga no seu telefone". Ele falou que o aplicativo dele não conseguia, porque para pagar tem de ter autorização. Aí nós estávamos nessa confraternização do fim de campanha, tomando uma cerveja, comendo um churrasco, e eis que ele me vem: "Olha, vamos embora que eu tenho de passar ali no Itaú antes que feche. Eu tenho que pagar uma conta". Falei: "Pô, não é plausível você interromper um churrasco para encarar 40 minutos de fila num banco em 2016". Não é verdade? Eu não sabia nem que conta era. Ele falou: "Tenho de pagar um carnê do financiamento do meu apartamento. Vence hoje, e o valor é alto, um dia de juros é coisa de R$ 1000". Aí eu falei: "Faz o seguinte: Vou tentar pagar aqui na minha conta. Era outro nome, né? Se eu conseguir pagar, amanhã você me dá o dinheiro". Fui e paguei na minha conta, beleza. E ele me ressarciu. Não consigo te precisar como ele me ressarciu. Eu estou agora com os meus extratos aqui. Estou tentando ver se foi transferência, se me deu o dinheiro em mãos, se me pagou um pedaço num dia e outro pedaço no outro. Porque ele também precisaria ir a um banco sacar o dinheiro. Ter aquele dinheiro disponível. Porque não é uma quantia de R$ 500 que você tem na carteira. Aí as pessoas fazem esse estardalhaço em falar que eu paguei uma conta de R$ 16 mil ganhando R$ 4 mil. Só que as pessoas esquecem que eu sou sócio de uma empresa, e a minha vida é pautada nos ganhos da minha empresa, entendeu?

Que dia foi isso?

O pagamento da cobrança do Flávio foi dia 3 de outubro, e nesse dia meu saldo bancário terminou negativo em R$ 21.147, por conta dessa transferência. No outro dia, eu supri o meu saldo com uma transferência de R$ 20.450, da conta da empresa para a minha conta. E provavelmente o Flávio me restituiu. Como foi? Não lembro. Tem muito tempo, isso. Mas ele me restituiu porque, meu irmão, não dou dinheiro para homem. Dou até para mulher, mas para homem não dou. Nesse dia, 3 de outubro, fiquei devendo R$ 21 mil, cara. (Mais tarde, Ambrósio entrou em contato para dizer que se lembrou que Flávio pagara a ele em dinheiro e, com esse dinheiro, ele pagou contas de sua empresa.)

Você não consegue ver nos dias seguintes a esse pagamento a entrada, transferência, depósito que você fez na conta?

Não, não tem. Mas ele me restituiu com certeza, irmão. Ele não ficou me devendo. A forma como ele me pagou, se foi em dinheiro, se foi um dia depois, dois dias depois, se parcelou, se transferiu para minha conta, estou procurando. Se estiver na conta, está aqui, mas não consigo te precisar, porque estou com um maço de 200 papéis aqui, estou totalmente perdido.


A entrada, transferência, depósito que fez na conta?

Não tem. Mas ele me restituiu, com certeza. Ele não ficou me devendo. A forma como ele me pagou , se foi dinheiro, se foi um dia depois, dois dias depois, se parcelou, se transferiu para a minha conta, estou procurando. Se estiver na conta, está aqui. Mas não consigo precisar, porque estou com um maço de 200 papéis, que estou totalmente perdido. Seria interessante frisar a transferência de R$ 16.564,81 no dia 3, e no próprio dia 3, minha conta fechou com débito em R$ 21.147,68. Não paguei juros porque, como sou funcionário público, tenho dez dias sem juros no banco. E no outro dia, recebi alguns depósitos na minha conta e complementei com R$ 21.450 da minha empresa. Tirei da minha conta da empresa e transferi para mim.

Você, na ocasião, não estranhou que ele tivesse esse valor, com um salário de deputado não tão maior assim? O salário de um deputado estadual, hoje, 2019, são R$ 25 mil brutos.

É, não... Eu não, não... Assim, se ele tinha uma prestação aprovada no nome dele...  Eu nem lembro. Hoje se fala que era no nome da esposa, né? Mas eu não sabia. Não lembro se era no nome dele ou da Fernanda. Não lembro. Eu sei que eu paguei a conta. Mas o Flávio tem um rendimento alto, né? Já era deputado. Ele tinha a empresa dele, eu sei que ele tem lá a loja de chocolate. A esposa dele também trabalha. Ela é dentista, salvo engano foi militar, tem rendimentos. Então quando tem uma prestação de R$ 17 mil para vencer, eu não sei, né? Não é da minha alçada. Mas não vi estranheza nenhuma nisso. Até porque era uma coisa particular dele. Eu estava quebrando um galho para ele. Não dá para fazer uma auditoria financeira da minha vida para lembrar de tudo. Eu estava fazendo um favor para um amigo.


De 2016 para cá, você trabalhou na campanha do Flávio? Em 2018 também?

É. De 2016 para cá, eu estava cedido em uma secretaria de Estado daqui do governo. Aí disseram agora que eu fiz dois depósitos, transferências, para ex-assessores dele, nesse mesmo ano de 2016. Não tem isso também? É o Fernando Pessoa, o designer gráfico dele, e o (Marcos) Domingos, um sargento da PM. O Fernando me ajuda muito em identidade visual na minha empresa, fez alguns serviços para mim. Eu não posso precisar se foi isso. De repente comprei alguma coisa, paguei alguma coisa para ele, ou transferi um dinheiro para ele, para dar tipo um agrado em um serviço que ele fez para mim. Não sei, mas tenho uma relação de amizade com o Fernando.

Você conheceu o Fernando por meio do Flávio?

Eu o conheci no gabinete. Por coincidência, ele mora em Nova Iguaçu, vizinho da minha cidade, Mesquita. Quase todo final de semana eu estava em Mesquita ou tomava uma cerveja com o Fernando. Pagode, entendeu? Aí, três anos depois, a pessoa vai me ligar e falar assim: "Você fez uma transferência de X para o Fernando em 2016?". Pô, meu querido, nem sei se eu fiz. Mas é bem provável. O cara é meu amigo. Não lembro. Será que foi alguma conta de um almoço que eu reembolsei depois? E o Domingos é um policial amigo meu, olha que interessante, ele estava nessa reunião em que conheci o Flávio, em 2010. O Domingos é um policial que foi lotado no gabinete do Flávio. Só que o Domingos é meu amigo de 15 anos. Trabalhamos juntos em 2007 no 19. Em 2010, o Domingos participou dessa reunião junto com inúmeros policiais que organizei ali em Mesquita, para o Flávio e para o Jair. Tenho foto dessa reunião com o Domingos, entendeu? É uma forma de eu mostrar que minha relação com o Domingos não é dali do gabinete. Eu conheço o cara há dez anos. "Ah, mas por ventura depois ele veio trabalhar". Isso foi caso forçado. Ele e um monte de gente, pô.

O pagamento foi Domingos foi o quê?

Eu não sei precisar, porque foi um único... Falam como se eu tivesse feito transferências pontuais mensais, quando na verdade foi uma única transferência, que eu nem sei se existiu. Eu tenho de olhar aqui, nos extratos, e assim que eu tiver o valor, data certinho, eu te mando. (Depois da entrevista, Ambrósio enviou valores estimados dos depósitos, e disse ter lembrado que o valor para Domingos era referente a uma caixa de som).

Você não sabe o que foi?

Olha, eu liguei para o Domingos para perguntar, e ele falou que eu nunca transferi nada para ele. Só que o Domingos tem 280 quilos. A gordura está tomando conta do cérebro dele. Então ele não lembra qual o tipo de hambúrguer do McDonald's que ele comeu ontem, quanto mais o que aconteceu em 2016. Você já viu que o cara magro arrasa os gordinhos, né? (risos).

Você não tem certeza de nenhum dos dois depósitos. O do Fernando, você supõe que seja uma remuneração por um serviço que ele fez para você, e o do Domingos você não lembra nem sequer se houve. É isso?

Alguma coisa que ele ajustou para mim, alguma identidade visual da minha empresa, entendeu? Naquela época eu não tinha o serviço de marketing que eu tenho hoje. Ele ali fazia o serviço, fez alguma coisa para mim, e eu dei um agrado para ele, efetuei o pagamento. Alguma coisa desse tipo. Eu acredito que seja. Pô, é uma covardia, né? O que você fez em julho de 2016...

Como você avalia a condução do caso Queiroz, a defesa do Flávio até aqui?

Ele tem essa tática de empurrar com a barriga. Não funciona. Vou muito ao encontro. Estou procurando a imprensa para dar meu depoimento, dos fatos. É isso que eu quero mostrar.

Quando seu nome apareceu na história, você ligou para ele?

Não tenho contato com o Flávio há mais ou menos... Quando ele foi para Brasília, o contato acabou, porque eu não vou para lá, não sou remunerado por ele, não trabalho por ele, não vou pagar R$ 4 mil numa passagem para falar: "Oi, Flávio, tudo bem?". Quando ele vem para o Rio, algumas vezes pontuais coincidiam com a minha folga, e eu falava: "E aí, Flávio, está no Rio?" "Estou no Rio, vou no evento tal". "Vou te buscar".

Ainda não falou com ele sobre esse episódio?

Ainda não. Não falo com o Flávio há exatamente seis meses. Sem trocar telefone nem WhatsApp, porque ele é senador, o filho do presidente, chegar nele é uma coisa quase impossível. Não vou lá para falar com ele, porque tenho minhas demandas de trabalho aqui também. Não tenho disponibilidade nem de tempo, nem de dinheiro. Mas quando vem para o Rio, algumas vezes dentro desse ano, me incorporei na equipe dele para ter a oportunidade, dar uma abraço, perguntar como está, a amizade continua.

Você, nesse período todo em que o conhece, nunca foi lotado em nenhum gabinete dele?

Nunca trabalhei diretamente com ele. Nunca.

Você já indicou alguém para trabalhar com ele alguma vez?

Não.

Você foi investigado por intimidar moradores de Copacabana para que contratassem serviços de segurança?

Isso foi na parte da empresa. Explico tudo. Pode perguntar.

Quando criou a empresa?

Criei em 2014. Ela trabalha especificamente com três serviços: terceirização com serviço de portaria, portaria e vigia; limpeza; e instalamos alarmes, segurança eletrônica. Instalamos alarmes em condomínios, alarmes antiarrombamento. Basicamente.

Ela começou com esse escopo todo ou foi ganhando?

Você monta a empresa e, de acordo com a demanda, você vai acoplando. Já estou na minha quarta alteração contratual. Vai aparecendo uma oportunidade de trabalho, não está no seu escopo, você inclui serviços. As pessoas falam que operei serviço de segurança, o que nunca houve. Nunca houve. Operei serviço de portaria, terceirização de serviço de portaria, monitoramento de bens de pessoas com controle de acesso, instalação de serviço eletrônica.

Quando fala portaria, o que quer dizer especificamente?

Trabalho com condomínio.

Guarita?

É, condomínio. Porteiro, vigia, vigia noturno, limpeza de condomínio, qualquer serviço eletrônico, a minha empresa trabalha. Portão, porta automatizada, câmeras, sistema de alarme, aquela cerca que toca alarme. A empresa se chama Santa Clara Serviços.

Como se chegou a essa história sobre moradores de Copacabana?

Chegou ao Globo uma denúncia de que está havendo intimidação de moradores por parte de empresas de segurança. A acusação repetia aquela velha história: "Se você não me contratar, vou fazer isso, isso e isso". Expliquei para o repórter que minha empresa trabalhava e nisso saiu uma matéria no Globo, vinculando meu nome e o nome da empresa. Abriu um inquérito policial militar. Esse inquérito durou seis meses e foi arquivado por falta de materialidade. Em contrapartida, peguei carta de referência de todos os meus clientes e apresentei na Corregedoria, fizeram contato com todos os meus clientes, perguntando se algum foi ameaçado, todos os outros foram a meu favor dizendo que nunca, dizendo que eu prestava um serviço que tinha proposto e foi arquivado. Não fui nem repreendido nesse inquérito, porque eles pediram toda a documentação da empresa. A minha vida, tudo foi devassado. Não perdi um cliente.

Nesses anos de relacionamento com o Flávio, ele alguma vez te indicou algum cliente, te ajudou de alguma maneira na empresa?

Nunca. Poderia ter indicado, mas nunca (risos).

Como policial, como avalia essa suspeita de que existe ligação do Flávio, da família Bolsonaro, com a milícia?

Vejo com perplexidade, porque não participo diariamente da vida de Flávio.  Tenho uma relacionamento de amizade e isso tudo é fato novo para mim. As pessoas que são arroladas podem sentar do meu lado numa mesa que não sei nem quem são.

O Adriano da Nóbrega (suposto miliciano homenageado por Flávio), por exemplo, você não conhecia?

Não conheci e não conheço. Não sei se é alto, se é baixo, se é gordo ou se é magro. Nunca nem trabalhei com ele, nunca cruzei com ele. Conheço pessoas que conhecem ele, por conta do vínculo profissional. É um policial mais antigo do que eu, que já trabalhou em determinado batalhão. Mas eu nunca vi ele.

Desde que essa história veio à tona, um ano, você alguma vez esteve com o Queiroz?

Não. Quando ele se afastou eu nunca mais tive contato com ele.

Então você não sabe responder à pergunta que o Brasil inteiro quer saber: onde está Queiroz?


Onde está Queiroz... (risos). Infelizmente não vou poder te responder. Eu também não sei. Queria até encontrá-lo, para falar com ele, pois fizeram uma situação... O Brasil está numa situação muito difícil, o investigado passa a ser sentenciado em última instância. O cara é crucificado midiaticamente e aí ele já é execrado.

Mas o caso dele tem complicadores que vão além de uma mera crucificação, como você está colocando, não?

Sim, está ficando (complicado). Mas, no curso de uma denúncia, um inquérito investigativo, a gente só tem um meio que é o acusatório. Você só se defende do processo. Então a pessoa acusa, acusa, acusa, acusa e joga na mídia. Só aparecem as acusações.

Mas ele foi chamado inúmeras vezes para depor e não se apresentou.

Sim.

E o repasse para a conta da loja de Flávio?

Todo ano, eu presenteio meus clientes, funcionários e amigos. Como qualquer empresa faz. Tem umas que dão chaveiro. Tem outras que dão calendário. E eu dou panetone da Kopenhagen. E o Flávio tinha acabado de inaugurar a loja, 2015 ou 2016, se não me engano, eu numa dessas saídas com ele falei: "Flávio, vou presentear, vou comprar os panetones lá".

Você estava na inauguração?

Não tava! Eu não tinha esse vínculo diário. Encontrava ele esporadicamente e eu também tenho três filhos, né, meu parceiro? Tem que correr muito atrás. 

Aí você comprou panetone...

Aí comprei o panetone... Passa-se uma imagem de que eu faço transferência mensais para a loja do Flávio. As transferências foram em novembro, dezembro e janeiro. Porque eu faço uma compra entre 100, 120 panetones. E eu, na amizade, falo com o Flávio que vou comprar com ele mas para ele parcelar essa porra em três vezes por favor. Aí dou um cheque em novembro, outro em dezembro e outro em janeiro. E isso é facilmente comprovado no perfil da minha empresa no Instagram. Teve um ano que botei quase 60 fotos de clientes recebendo. E esse ano já estou distribuindo de novo.

Esse ano você comprou de novo na loja do Flavio?

Não, comprei de outra loja. E não comprei nem por causa disso. Porque não comprei: meu contato com o Flávio está cada vez mais difícil, a comodidade que eu tinha era o contato direto com ele, e, p..., a loja dele é lá no Via Parque e minha empresa é em Copacabana. Vamos combinar.

Você lembra quantos panetones comprou naquele ano?

Olha, todo ano eu compro numa média de 100 a 120. Agora, como foi a forma de pagamento: depósito na conta dele. Nunca dei dinheiro em espécie.

Na conta da empresa?

Isso, na conta da empresa. Ou fui algum depósito? Não lembro. Se saiu da conta da minha empresa ou da minha conta pessoal, não posso te dizer. Mas foi tudo proveniente para esse tipo de conta. Este ano, estou preocupado porque ontem levaram a lista de pessoas que eu tinha que entregar panetone.

Você se refere à busca e apreensão?

É, a operação de busca e apreensão levou. Levou minha listagem de entregas deste ano. Eu vou entregando, dando o ok. Eu vou pedir para minha secretária tirar uma foto da minha sala com os panetones para entregar neste ano. Já foram comprados.

ÉPOCA
NOTÍCIA NA TELA www.noticianatela.com.br